Visita ao laboratório de informática da escola Ribeiro de Souza

06/11/2017

Na semana passada, os multiplicadores do NTE-Tucuruí estiveram presentes na EEEM. Dep. Raimundo Ribeiro de Souza para uma visita técnico-pedagógica na sala de informática, onde foram realizadas a instalação correta das máquinas e por sua vez, a configuração do sistema operacional Linux que possibilitaram o funcionamento dos computadores.

Em conversa com o professor Martinho Mota, responsável pelo espaço, os multiplicadores orientaram quanto ao uso do Linux e algumas recomendações para o bom desempenho dos equipamentos.

Dessa forma, o ambiente estará propício para o uso dos alunos com direcionamento docente bem como para formação continuada dos professores, haja vista a disponibilidade de recursos digitais na escola.

Anúncios

Retificação do Censo Escolar em Tucuruí e região

19/09/2017

O Censo Escolar é o principal instrumento de coleta de informações da educação básica, sendo considerado o mais importante levantamento estatístico educacional brasileiro nessa área. Coordenado pelo Inep, é realizado em regime de colaboração entre as secretarias estaduais e municipais de educação e com a participação de todas as escolas públicas e privadas do país.

De 18 a 22/09, o espaço do Núcleo de Tecnologia Educacional de Tucuruí está à disposição para que o servidor Marcos Silva da 16ª URE juntamente com a técnica Rosineide Ferreira Lopes da Seduc, se reúnam com o pessoal administrativo de estabelecimentos públicos e privados de educação básica, dos municípios de jurisdição da URE; para fazer retificação, inclusão ou correção de informações referentes aos dados declarados.

Os dados coletados são fundamentais para a elaboração de diagnósticos sobre a educação brasileira e para a implementação de políticas públicas na área. Além disso, as matrículas e dados escolares declarados servem de base para o repasse de recursos do governo federal e para o planejamento e divulgação de dados das avaliações realizadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Fonte: http://inep.gov.br


A Base quer a tecnologia na sua disciplina. E agora?

17/08/2017

A Base Nacional Comum Curricular já teve sua terceira versão divulgada, e está em fase de discussão em audiências públicas pelo país, um dos últimos passos antes de sua homologação. É um momento de dúvidas, angústias e controvérsias – algo natural se considerarmos a complexidade do documento e a influência que terá nas políticas públicas. E eu, como docente de tecnologias da rede pública de ensino, tenho uma preocupação em especial: como a tecnologia está sendo tratada na Base?

Jocemar do Nascimento, coordenador do Projeto de Ensino de Programação e Robótica na Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico de Cascavel, no Paraná, explica que a tecnologia, na BNCC, “não é o objeto de estudo e não precisa exatamente de um currículo”. Por essa razão, ela deve ser discutida como um meio de aplicação, e não conteúdo em si. “No Ensino Médio, vejo a possibilidade de este campo ser introduzido como uma área de conhecimento específica. Mas, na Educação Infantil e no Fundamental, a tecnologia precisa ser aplicada como uma ferramenta que ajuda a atingir os objetivos e direitos de aprendizagem estabelecidos”, defende o pesquisador.

Apesar de estar presente em todas as etapas de ensino, esse ainda é um assunto que gera polêmica. Em outras postagens de NOVA ESCOLA, muitos educadores já se manifestaram, enumerando as dificuldades em se utilizar meios digitais em sala de aula de maneira efetiva.

Compartilho desses desafios, uma vez que enfrento todos os dias a falta de infraestrutura e os problemas com conectividade. Acredito que este será o maior entrave, levando em consideração que serão necessários investimentos em todas as unidades escolares para alinhar as áreas do conhecimento à era digital. Um caminho é a mudança de foco. “Na linguagem de programação, por exemplo, existe a robótica, mas o foco não é ensinar o aluno a fazer um robô, e sim, o processo de construção do robô. Nela, podemos trabalhar o raciocínio lógico, leitura, escrita e habilidades matemáticas”, sugere Jocemar.

E como o documento prevê utilização das tecnologias?
A BNCC reconhece os benefícios que a cultura digital tem promovido nas esferas sociais. O avanço tecnológico e a multiplicação de celulares e computadores estão diretamente ligado ao hábito de consumo desses jovens. Diante dessas interações multimidiáticas e multimodais, a proposta da Base é trabalhar com uma intervenção social que contextualize o uso da tecnologia ao conteúdo aplicado, desenvolvendo essa que é uma das dez competências gerais citadas pelo documento. Confira alguns trechos da versão atual que defendem essa prática:

Competência geral da Educação Básica: “Utilizar tecnologias digitais de comunicação e informação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas do cotidiano (incluindo as escolares) ao comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos e resolver problemas. ”

Competência de Matemática para o Ensino Fundamental: “Utilizar processos e ferramentas matemáticas, inclusive tecnologias digitais disponíveis, para modelar e resolver problemas cotidianos, sociais, de outras áreas do conhecimento, validando estratégias e resultados.”

Competência de Língua Inglesa para o Ensino Fundamental: “Utilizar novas tecnologias, com novas linguagens e modos de interação, para pesquisar, selecionar, compartilhar, posicionar-se e produzir sentidos em práticas de letramento na língua inglesa, de forma ética, crítica e responsável.”

Competência de Artes para o Ensino Fundamental: “Mobilizar recursos tecnológicos como formas de registro, pesquisa e criação artística.”

GUIA DA BASE: Como entender e interpretar o documento que vai ser referência para a Educação no Brasil

Sugestões de uso

O campo para se trabalhar com as tecnologias é vasto, possibilitando o seu uso através de inúmeras ferramentas, abaixo apresento algumas sugestões de softwares livres e gratuitos.

Matemática
Ardublock: Software de linguagem de programação que utiliza blocos de funções prontas, auxiliando criar programas para o Arduinos de forma simples e intuitiva.

Língua Inglesa
HagáQuê: Editor de histórias, que possui um banco de imagens com os diversos componentes para a construção, como cenário, personagens e vários recursos de edição para essas imagens e pode ser utilizado para o ensino de línguas.

Wondershare Quiz Creator: Software de produção de questionários com opção de inclusão de arquivos flash e pesquisas com objetos multimídia.

ProProfs: Aplicativo de produção de questionários, testes e exames online, com cores e imagens.

Celly: Rede social, que permite que o professor se comunique com seus alunos por mensagens de texto, e-mail e ou chat, sendo possível criar enquetes e produzir lembrete aos alunos.

Artes
Edutopia: A plataforma reúne ferramentas e recursos como dicas, conferências, vídeos, depoimentos, grupos e blog por áreas temáticas, organizado por temas como Artes, Música, dança, entre outros.

GIMP: Um software de edição e criação de imagens e possui uma série de ferramentas e recursos, como pincéis e efeitos para fotografias.

Ainda não sabemos se os gestores públicos conseguirão garantir os recursos necessários e formação docente para a aplicação dessas premissas. O que temos de concreto é a certeza de que esse pode ser um grande propulsor de inovação, criatividade e inventividade por meio da experimentação.

Fonte: Nova Escola


Dia do Estudante

16/08/2017

A ASCOM/SEDUC preparou uma ação de comunicação via internet para celebrar o Dia do Estudante, no dia 11/8.

Os eixos da campanha fala de educação, permanência na escola e futuro.

Consta de uma mensagem da Secretária aos educadores (destina-se também aos estudantes); uma mensagem do professor aos alunos; um cartaz; um MEME para difusão pelo Whatzapp e Facebook.

Faremos também matéria jornalística sobre a programação da Seduc para comemorar a data.

INSTRUÇÕES PARA DIFUSÃO DA CAMPANHA

CARTAZ (formato A3)

1)    Será afixado na sede da Seduc um cartaz no formato A3.

2)    ASCOM entregou hoje 2 exemplares para gestores de USE (infelizmente, não há logística para enviar às UREs, nem às escolas) que estão participando do seminário do PJF.

3)    O cartaz (nos formatos A3 e A4) deve ser impresso ou difundindo por meio eletrônico, a critério da escola, conforme suas condições técnicas. Sugere-se que seja afixado nos locais de fácil visibilidade, nas salas de aula, quadros e murais da escola.

4)    Recomenda-se tampem afixá-lo no espaço da URE.

MENSAGEM DA SECRETÁRIA

1)    Será enviado por email, publicado no portal SEDUC, neste dia 9.

2)    Pode ser impresso e afixado nas escolas, na sede Seduc e nas  Unidades Seduc.

MENSAGEM DO PROFESSOR PARA SEUS ALUNOS                          

Anote as sugestões de procedimentos de difusão:

1)    ASCOM envia por e-mail para as UREs e USEs

2)    URE envia a peça aos professores e diretores de escolas, por email (ou na versão impressa).

3)    O dirigente de escola pode imprimir a peça. Mas recomendamos reenviar por e-mail aos professores.

4)    O professor envia aos seus alunos (caso disponha de meios: conta de rede social do aluno e/ou email).

5)    Ou pode afixar a mensagem em quadro de aviso, na sala de aula segundo melhor conveniência.

 

ASCOM – Assessoria de Comunicação Seduc


Somos eternos estudantes!

11/08/2017


%d blogueiros gostam disto: